Representantes do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) reuniram-se com técnicos da Infraero, nos dias 14 a 16 de junho, para mais uma vez avaliar os lançamentos da empresa na folha de pagamento com relação ao adicional noturno.

aviao-lua

Os sindicalistas encontraram cerca de 20 mil horas lançadas de forma equivocada relacionadas a aproximadamente trezentos funcionários. O Sina também localizou cerca de 180 nomes escritos errado no sistema.

O gerente do setor responsável comprometeu-se a corrigir todos os lançamentos errados apontados pelo Sindicato. A expectativa é de que seja realizada mais uma série de três dias de encontros de trabalho na sede da Infraero, em Brasília, com representantes do Sina e da empresa, para novas revisões dos apontamentos, no início de julho.

Na análise dos dados feita pelo Sindicato até o momento, a maioria dos trabalhadores da Infraero terá valores a receber a título de adicional noturno. O trabalho, no entanto, é minucioso e por isso lento, já que envolve por volta de 35 milhões de apontamentos em modelos diferentes de escala, horários diferentes de trabalho e de funcionamento de aeroportos. Há localidades, por exemplo, onde houve lançamentos errados de horas trabalhadas durante dois, quatro meses, até um ano, e que precisam ser corrigidos.

O sistema da folha de pagamento da Infraero é processado na sede da empresa, em Brasília, utilizando os dados alimentados pelas dependências. Até 2014, não havia uma regulamentação, ou padronização, sobre como proceder com os apontamentos das horas adicionais. A pedido do Sina, a partir de abril daquele ano, apenas a sede pode manusear os dados das horas adicionais, para evitar equívocos no cálculo desses apontamentos e se aproximar ao máximo de uma padronização.